“Fazer o que ama” não significa nada

Quando vem daquele adulto que não ama o próprio trabalho fica fácil perceber a furada que é esse conselho. E se ele disser que não fez o que ama porque não teve oportunidades notamos ainda um quê de ressentimento.

Faça o que ama, e assim poucos vão querer limpar o chão público. Faça o que ama, e assim poucos vão recolher o lixo da rua. Faça o que ama e poucos pegarão o turno da noite no supermercado 24 horas.
Digo poucos, mas quase dizendo ninguém.

Fazer o que ama é um ideal daqueles inalcansáveis pra maioria. O sofrimento pessoal é também uma questão social. A dura realidade é que a maioria das pessoas têm que fazer o que não amam na maior parte do seu tempo.

Lidar com isso é a tarefa complicada. Não basta culpabilizar os opressores. É preciso reconhecer a questão social, mas sem deixar de lado a possibilidade de escolha que se tem. Por mais limitadas que forem as escolhas, alguma liberdade existe.

Não adianta focar nas impossibilidades, isso é ressentimento. Não adianta acreditar que tudo é possível, isso é ingenuidade.

Adianta não se apegar às verdades universais. Adianta pensar suas questões. Ou adianta tentar. Adianta também buscar ajuda quando não conseguir fazer isso sozinho.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s